Dia Internacional de Combate às Drogas

Dia Internacional de Combate às Drogas:

Saiba mais sobre dependência química

No próximo dia 26 é comemorado o Dia Internacional de Combate às Drogas, data instituída pelas Nações Unidas para conscientizar a população sobre o problema mundial do consumo dessas substâncias.

Estima-se que cerca de 5,7% dos brasileiros sejam dependentes de drogas, índice que representa mais de 8 milhões de pessoas, segundo Levantamento Nacional de Famílias dos Dependentes Químicos (Lenad Família), feito pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Entre as drogas ilícitas mais utilizados no país estão a maconha, com índice de consumo de 2,5% entre a população adulta e 3,5% entre os adolescentes, e a cocaína, com prevalência de consumo de 1,75%, que supera a dos Estados Unidos e atinge mais de quatro vezes a média mundial (0,4%), de acordo com o relatório da UNODC.

A dependência química é um problema grave, que pode afetar qualquer pessoa. Por isso, estar sempre bem informado é a melhor maneira de evitar que a doença se instale e prejudique a sua vida.

 

Entendendo a dependência química

Muitas pessoas não entendem o porquê de outros indivíduos se tornarem viciados em drogas. Erroneamente, acredita-se que aqueles que usam drogas carecem de princípios morais ou força de vontade e que eles poderiam interromper o uso dessas substâncias em qualquer momento. Na verdade, o vício em drogas é considerado uma doença complexa e crônica, que requer tratamento.

As drogas mudam o cérebro de uma maneira que torna o abandono dessas substâncias muito difícil, mesmo para aqueles que o desejam. As alterações cerebrais que ocorrem desafiam o autocontrole da pessoa viciada e interferem em sua capacidade de resistir aos impulsos intensos de consumir drogas.

As mudanças cerebrais podem ser persistentes, razão pela qual o vício em drogas é considerado uma doença crônica, que leva a recaídas, pois quem está em recuperação têm um risco maior de voltar a usar drogas, mesmo depois de anos sem consumir nada.

 

Consequências da dependência química

O uso crônico de drogas afeta a saúde física, mental e social da pessoa. O crack e a cocaína, por exemplo, podem gerar perda de peso, problemas respiratórios, cardiovasculares e morte precoce, sem contar os prejuízos na vida profissional e social. Cigarro, álcool e outros tipos de substâncias também fazem mal à saúde, incluindo medicamentos para dormir, para perder peso, para aliviar a dor, etc.

 

Tratamento

A dependência química é uma doença crônica e progressiva, ou seja, uma vez instalada não tem cura e precisa de tratamento para o resto da vida. Ela pode ser controlada. Para isso, o primeiro passo é admitir que está passando dos limites e procurar ajuda.

Cada paciente requer um tipo diferente de tratamento, de acordo com o grau de dependência e com o tipo de substância utilizada. Atualmente existem muitos métodos de tratamento como clínicas de reabilitação, hospital dia, tratamento ambulatorial, entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *