Diagnóstico precoce das hepatites B e C pode salvar vidas

Ambas as doenças podem levar à cirrose e ao câncer de fígado se não forem tratadas a tempo; saiba mais 

Cerca de 325 milhões de pessoas no mundo estão infectadas pelos vírus das hepatites B e C, doenças sérias que provocam inflamação no fígado, podendo levar à cirrose e ao câncer,se não forem tratadas a tempo.

A hepatite B, causada pelo vírus HBV, é transmitida por meio de relações sexuais desprotegidas, da mãe infectada para o filho durante a gestação, no parto ou amamentação e contato com o sangue contaminado de outra pessoa a partir do compartilhamento de objetos cortantes.

Já a hepatite C, provocada pelo vírus HCV, é transmitida somente por meio do contato sanguíneo. A transmissão sexual e durante a gestação e amamentação são consideradas raras.

Ambas as doenças evoluem de forma silenciosa. E é aí que está o problema. Por não manifestarem sintomas, muitas pessoas nem imaginam que estão infectadas, chegando a descobrir a condição apenas quando ela  já está em um estágio avançado e comprometeu o fígado.

Exames de diagnóstico

 A detecção precoce das hepatites B e C é fundamental para que o tratamento seja eficaz e os vírus possam ser inativados. Por esse motivo, é muito importante estar em dia com os exames de check-up.

Ambas as doenças podem ser diagnosticadas por meio de exames de sangue.  Se o resultado for positivo para uma delas, o paciente é encaminhado para testes complementares.

A elastografia hepática, por exemplo, é um exame que auxilia no diagnóstico e avaliação dos danos causados pela hepatite ao fígado. Além disso, esse método de imagem pode ser utilizado também para avaliar o sucesso do tratamento.

Como prevenir as hepatites B e C

– Evite o compartilhamento de objetos de uso pessoal, como alicates e lâminas de barbear.

– Use preservativo em todas as relações sexuais.

– Se você estiver grávida ou pretende engravidar, é fundamental realizar todos os exames do pré-natal.

– No caso da hepatite B, é possível se vacinar contra a doença nas unidades básicas de saúde.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *